sábado, 23 de setembro de 2006

What to say...

Por falar em tênis, o esporte anda meio monótono, sabe. Agora que Andre Agassi também resolveu pendurar a raquete, no tênis masculino, por exemplo, sobra o Roger Federer. O rapaz é bom, bom não, é um verdadeiro demolidor. Mas é isso que o torna chato! Chato de tanto ser bom. Eu nem vejo os jogos dele! Não tem concorrente à altura. Fica a competição de um homem só. Roger contra o resto do mundo. Nem me lembro quando ele perdeu o último jogo. Acabou de ganhar o US Open, derrotando o americano Andy Roddick, que, coitado, não teve nenhuma chance. O senhor Mr. Eficiência só não conseguiu ganhar Roland Garros. Aliás, Pete Sampras, outro chato de tanto ser bom, também nunca ganhou R.G. O que significa que quando chega a época desse torneio, lá pra maio, até vale à pena ligar a tv para vê-lo, perder!
Federer, depois de Mats Wilander, é o primeiro tenista a ganhar três Grand Slams na mesma temporada. E ele conseguiu isso duas vezes: em 2004 e 2006. Como é chato ser bom! Fico pensando o seguinte: os adversários de Roger, exceto no torneio francês, já entram em quadra derrotados. Sabem que é difícil vencer o cara. O Federer não perde nem pra ele mesmo!
Já no feminino, a Bélgica é a dona do cenário. Digo isso porque possui duas representantes de peso no circuito, Justine Henin e Kim Clijsters. Depois que as irmãs Williams resolveram se dedicar ao mundo hollywoodiano, o esporte teve uma guinada. Passou a ser mais concorrido. Há ainda a russa Sharapova, que grita demais nos seus jogos. Irritante! Entretanto, uma tática boa. As adversárias vão à loucura. Alguém se lembra da Monica Seles? Essa era a rainha do grito. Parecia uma soprano na quadra, só que bem desafinada!
A Hingis, xará da mítica Navratilova, até que tentou voltar. Venceu um joguinho aqui, outro ali, mas foi fogo de palha. Ainda ssim, consegue estar entre as dez melhores do mundo! Como assim?
De todas, eu admiro a Amelie Mauresmo. Francesa e de personalidade. Não tem a graça e a leveza da Steffi Graff, pelo contrário, tem na força, seu principal aliado. Amadureceu, e hoje está mais preparada mentalmente para os grandes torneios. Está em primeiro no ranking da WTA.
Pelo menos no feminino há competição. Agora, que dá saudades da Navratilova e da Steffi Graff, ah, isso dá!