quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

Lady Porta Fortuna Parte Uno

Ma che!? Desde quando ganhei minha camisa da Sampdoria o time não perdeu mais. Sabe que estou mesmo começando a me empolgar, achando que essa camisa já veio da Italia benzida, sei lá. Com certeza não duvido do carinho e boa fé de quem teve o trabalho de despachá-la pra mim (sem o trocadilho), mas fala sério! Nem preciso colocá-la. Deixo em cima da cama e pronto... E o Fabio continua em boa semana.
Hoje foram 4 gols e o "Qualhada" sozinho fez dois! Vice-artilheiro do campeonato. Para ilustrar as comemorações ultra-super-excessivamente afetivas dos italianos boleiros, coloco no post umas preciosidades da rodada de hoje.
O Kaká, o brasiliano preferido na Italia, marcou uma Doppieta hoje. Fico imaginando que o Milan, que anda mal das pernas, hoje em dia deveria se chamar Kaká F.C, uma vez que o mocinho está carregando o time nas costas. Imaginem se os italianos iriam reconhecer isso. Se el fizer uma aprtida ruim vão cair em cima! Já vi esse filme antes.

Ano que vem eu prometo que vou achar coisa diferente para escrever que não seja futebol italiano. Mas então, vamos às fotos...

Flachi sendo carregado pelo "Qualhada" ao comemorar seu gol de pênalti....

O Totti fazendo chupetinha em homenagem ao bebê Christian, que já nasceu em berço de ouro!


Corini, o capitano numero due per me, comemorando o seu, quase asfixiado... Quanta gente! Será que tem cheiro de French Perfume?

Luca Toni, tentando escutar a galera gritando... mas, eles não gritam gol na Italia, Lady. Bem, ele quer ouvir a vibração...


E eu, Lady, totalmente incrédula após saber dos resultados de hoje, digo... Non credo! È vero?! Aliás, como boa italiana, diria a interjeição favorita deles: Madonna, non è possibile! Ou em inglês, eu diria, "I can't believe my eyes!"

segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

I "Fabi" in settimana buona... / Os "Fabios" em boa semana...

Pois é. Uma agradável coincidência esportiva. Lá vem eu de novo falar de esporte. Afe... Vamos lá. Além do Fabio Cannavaro, que venceu o Fifa World Player 2006, encontro referência a outro Fabio, também italiano. Esse é o atacante da Sampdoria. Napoletano, com um belo sorriso, a cara e o jeito do Edmundo. Foi a primeira impressão que tive quando o vi a primeira vez. Não ficou só nisso, ele fala da mesma maneira do Ed, fazendo os gestos dele. Impressionante a semlhança, mas desejo que pare por aí. Nada de bad boys na Sampdoria. Já temos problemas demais, vero?
Nesse domingo o Fabio da Samp, de sobrenome Quagliarella, marcou um gol de antologia. Uma roveschiata (me falta o termo em português) bellissima! Mamma mia, que rete ha segnato lui!
Destaque em TODOS os jornais esportivos, o gol do Fabio certamente deve ter aparecido no noticiário esportivo do Brasile também.
O "Qualhada", apelido que demos ao Fabio, inclusive ganhou dia desses um enorme queijo de uma fábrica italiana por ter marcado o gol mais rápido de uma das rodadas passadas. Parece que o rapaz tem estrela, e ela começa a despontar. Para nossa sorte. Minha quero dizer. O queijo era um fornado de 7 quilos, porque o gol foi aos 7 minutos! Cad coisa que me aparece...
Enquanto isso, resquícios da goleada sofrida de 4 a 0 dada pela Roma, terremotos começam a surgir na Sicilia. Ontem fiquei acordada até de madrugada para ver os desdobramentos desse fato relevante....O presidente do Palermo, Zamparini, estressado como ele só, certamente ia aprontar das suas. Atiraria para todos os lados e a primeira vítima seria seu treinador, o Guidollin. Perguntinha que não quer calar: Por que Di Michele começou na reserva? Até ele andou atirando, mas sua giratória não causaria jamais o efeito do fuzil de seu presidente!
Sim, o Zamparini disse que o "seu" treinador destruiu "seu" patrimônio - o time - em 9 rodadas! E não ficou nisso, ele ainda disse que a diferença entre o Guido e o Spalletti, treinador da Roma era de 4 gols. Uma referência à goleada de 5 a 1 que a Udinese, treinada por Mister Spalla há dois anos atrás deu no time do Palermo. Como dizem os italianos, o Zampa estava "scatenato", doidão, irado!
Perguntado pelo repórter sobre os "elogios" recebidos de Zampa, Mister Spalletti, o adversário, com seu "jeito toscano" de ser, respondeu prontamente que o presidente muda de opinião muito rápido. Mas que o Guido deve ser melhor do que ele. No passado ele foi mandado embora e depois re-admitido, enquanto que ele, Spalletti, foi mandado embora pelo presidente duas vezes, em times diferentes, e jamais teve uma segunda chance! hehehe Ele se saiu bem nessa! Spalletti é sempre irônico...
Mas voltando ao "Qualhada", acho engraçado a forma como os italianos comemoram seus gols. É um abraça daqui, beija dali. Sinceramente, um exagero afetivo. Alguns casos são dignos de nota, como esse da foto. Mesmo não gostando do marrentinho romano Totti, ele fazendo o gesto da chupeta em homenagem ao seu bebê Chrsitian é mais divertido de se ver.
E assim, termina mais uma rodada de calcio na Italia, e eu, sem nada mais interessante para fazer, registro-a em meu diário "on line". Forza Doria!
Hoje foi meu primeiro dia de férias. Sabe o que fiz quando acordei? Coloquei meu cd do Vangelis, "El Grecco" e parei no meu cantinho, acendi um incenso e pensei em tantas coisas... Como é bom poder gozar de um descanso merecido após um ano de idas e vindas, pra lá e pra cá. Confesso que na maioria delas, já pensando no retorno. É, desejo que no próximo ano, eu consiga enfrentar essas batalhas sem tanto pesar. Olhar para pessoas indesejáveis à minha volta e transformá-las em apenas um complemento do cenário, e não o cenário em si .
À tarde fui à praia. Precisava de um banho de mar para iniciar bem o recesso. No fim do dia, uma notícia que me deixa sorridente. Obrigada pelo belo dia!

domingo, 17 de dezembro de 2006

Allah

"Estar sempre prontos a prestar contas da esperança que habita em nós."
Pode parecer alucinação minha, mas os cânticos em louvor a Allah são lindíssimos. Que trilha sonora para esse domingo que já começou vitorioso. Lembra que agora eu sei catar música na Net? Pois é...minha coleção aumenta a cada dia. E agora estou atrás de músicas japonesas de flauta de bambu, músicas turcas, egípcias...e o que mais exótico encontrar.
A camisa da Sampdoria continua dando sorte! Mas sobre isso, escrevo depois...
Eu estou me sentindo muito feliz com esse belo sol raiando no céu, embora o calor... quase me mata! Aqui estou debaixo de um ventilador refrescante. Vou deixar para ir à praia durante a semana. Menos cheia, e é sem dúvida mais divertido.
Ah, uma novidade. Meu padrasto comprou uma moto. Gente, nem acredito que vou andar de moto nas férias! Já estou pensando em estender minha estada no Paraná só para curtir. Abusada que sou, vou aproveitar enquanto ele estiver na estrada, no seu ônibus, para dar uns rolés pelas ruas de Londrina e Ibiporã. Oba!! Com cuidado, claro.

Ode aos Cabeludos I


Salve o Inter, campeão Mundial de Clubes! Depois dizem por aí que não sou patriota. Olha que teve gente que torceu descaradamente para o Barcelona. Eu não, torço para qualquer sul-americano, até mesmo o Corinthinas (que claro, não chegará lá), exceto para o Flamengo. Para esse não!
Vibrei muito com essa vitória brasileira, sul-americana sobre a empáfia européia. Eles tem o dinheiro, mas os craques temos nós. Eles tem história e nós fazemos parte da história deles. Moral da história: O Brasil, os sul-americanos, os oprimidos terceiro-mundistas constróem tudo aquilo que os ricos burgueses destroem em apenas um piscar de olhos.
O que foi o Barcelona frente aos singelos jogadores do Internacional? Não se pode dizer que o Barcelona não procurou vencer, mas sempre fica aquela imagem dos clubes europeus que vão ao Japão apenas para buscar a taça. Nesses dois últimos anos, pobrezinhos...voltaram de mãos vazias! Enquanto o Inter lutou, com a garra gaúcha costumeira e... venceu.
Lembro-me de uma frase de Critóvão Colombo que disse a um seu "inimigo" burguês da corte espanhola: "Quando você olha pela janela, você vê castelos, palácios, civilização. Tudo isso foi construído por pessoas como eu. Essa é a diferença entre nós: eu fiz algo, e você não."

terça-feira, 12 de dezembro de 2006

Charity in Italy

Hoje, terça-feira, foi o dia escolhido pela A.C Sampdoria para fazer a visita de Natal aos internos do Istituto Brignole-Sale, um pequeno asilo mantido por organizações da iniciativa privada na cidade de Genova. O presidente do clube Riccardo Garrone, o treinador Novellino e todos os jogadores do time se reuniram no Instituto para saudar seus "hóspedes" caros. Dentre presentes e autógrafos distribuídos, abraços e afeto de todos os lados, os torcedores "velhinhos" não deixaram escapar da boca dos atletas uma promessa de empenho e dedicação extra para o próximo ano. Olha, não sou eu a única a desejar tanto do Papai Noel uma Sampdoria melhor em 2007.
Quando comecei a acompanhar o futebol italiano há uns milênios atrás, no tempo do Gulit, Van Basten, Klinsmann, Zico e outros, me lembro que Gulit e Klinsman, que jogavam em Milão, o primeiro no Milan e o segundo na Inter, costumavam se fantasiar de Babo Natale e visitar hospitais da cidade semanas antes da celebração do Natal, distribuindo presentes às crianças internadas, autografando camisas e brincando com elas. Era ainda criança quando via isso pela TV junto com meu pai. Nossa, achava isso o máximo! São atletas como esses que fazem falta no mundo esportivo de hoje. Ou melhor, poucos são aqueles que ainda dedicam seu tempo a cuidar dos outros e dar exemplo para aqueles que no futuro desejam ser atletas como seus ídolos. Uma pena que a mídia só dedica espaço àqueles que fazem isso para sua própria promoção!
Bela iniciativa da Samp. Quando serão as visitas do Vasco, Flamengo, Corinthians, Palmeiras aos hospitais públicos, asilos e orfanatos de suas cidades??

segunda-feira, 11 de dezembro de 2006

Fontana dei miracoli

Os melhores domingos são aqueles dos quais nada esperamos. Surpresas fantásticas. Vejamos:
Ontem foi o dia do Derby, clássico, entre Roma e Lazio, os dois times da capital italiana, Roma, quem não sabe?? Comparável à Palmeiras contra Corinthians, Flamengo contra Fluminense.
Pois é, ninguém, nem mesmo euzinha acreditava que a Lazio poderia ao menos marcar um gol. Não, não, não marcou um, mas sim... três. O narrador disse com todas as letras: goleada da Lazio em cima da Roma, com um certo ar de decepção, claro! Devia ser torcedor da Roma.
Que vexame! A Roma jogou uma partida sofrível. Ofereceu pouco perigo à Lazio. Eu fui testemunha televisiva desse jogo histórico. O Totti, que eu particularmente comparo ao mimado Ronaldo brasileiro, estava muito, muito nervosinho, gritou com o juiz, xingou jogadores, pisou em um deles e contou com a benevolência do árbitro que, poderia ter dado a ele o que merecia: um belo "cartelino rosso". Como capitão de seu time, um exemplo deplorável. Deveria dar equilíbrio aos jogadores, mostrar controle nos momentos críticos e tudo o que fazia era reclamar. Um marrentinho de primeiro escalão!
Eis que agora, lendo Corriere dello Sport e a Gazzetta dello Sport, vejo em primeira página o treinador da Lazio, Delio Rossi, tomando banho em uma fontana, fonte, em algum lugar na Italia. Ah, sim...Fontana del Gianicolo. Deve ter sido promessa a pagar. Ele pagou. Hilário! Já pensou se a moda pega? Treinadores de sunga na primeira página de jornal, comemorando vitórias quase impossíveis... Com todo respeito, Mister Prandelli, o vencedor da semana cairia bem na foto!
A foto é mesmo só para deixar a prova cabal do espetáculo estilo ... Federico Fellini em La Dolce Vita!!

La Panchina D'Oro

Hoje foi premiado na Italia o técnico Cesare Prandelli, o mister Prandelli, one of my favorites. Ganhou o prêmio "Panchina d'oro" pelo seu trabalho à frente da Fiorentina em 2006. Um prêmio justo dado por seus colegas de profissão. Um reconhecimento para quem, na minha humilde opinião, é hoje disparado o melhor treinador de clubes na Italia.
Me lembro quando ele treinava meu ex-time, o Parma, que na cidade todos admiravam seu modo educado de falar, sua cultura e seu talento como grande motivador e descobridor de talentos. Palavras do Gianni. No auge da crise da Parmalat, o Parma, treinado por ele, repetiu a performace dos anos mais vitoriosos e por pouco não conquistou uma vaga para disputar a UEFA Champions League. Feito que anos depois ele repetiu com a Fiorentina, recém promovida à Serie A. Se não fosse o escândalo das arbitragens, a Fiore estaria hoje ocupando a vaga da Roma.
Graças a Prandelli, Firenze tem um time competitivo, capaz de vencer também as adversidades extra-campo. Acho até que depois da redução da penalidade aplicada e umas duas vitórias, o time já saiu da zona do rebaixamento. Ontem mesmo venceu o Chievo Verona em Verona, por 1 a 0. Golaço do Mutu ... Adrian. Quantambém jogou no Parma na época do Prandelli, e na minha também! hehe
Se na Italia as coisas fossem menos jurássicas, com certeza Prandelli seria um excelente nome para chegar à Azzurra no futuro. Mas, lá tudo é conservador em matéria de futebol.
Enquanto isso, estréia da camisa oficial da Samp e adivinhem? O time empatou em casa com o Siena. Ah...sospiro di solievo ...pelo menos não perdeu! Agora, o "vestido" blucerchiato é mesmo charmoso e bonito. Em um rápido passeio pelos arredores, arranquei olhares de muitos. Até o jornaleiro aqui, o Zé ficou bobo de ver o quão bonito é meu presente. Aliás, quando ganhei a camisa do Parma, usada pelo Benarrivo, dormi uma semana com ela! Com a da Samp, voltei a ter 15 anos de novo! Não parei de usar desde quando ela chegou. Não dormi com ela. Essa fase eu já superei. Bem, pelo menos ninguém a usou antes de mim...essa coisa de ganhar a blusa do boleiro depois de usada não combina comigo. Eu ia recusar na boa!! Se bem que a do Benarrivo eu não recusei.
Ah, ontem aconteceram umas coisas estranhas aqui. Eu achei a blusa da Nike que havia desaparecido há uns dois anos e ainda a camisa do Vasco que ganhei no ano passado. Tudo no mesmo dia. Mistério como elas desapareceram e como eu não as encontrei antes, pois estavam ali, o tempo todo.
Valéria...aqueles gatinhos japoneses...olha, isso foi obra deles!

domingo, 3 de dezembro de 2006

Did it all for love...

Uma vitória para nosso Brasil, para começar bem este domingo ensolarado, que há tanto parecia ter nos abandonado. Bernardinho é mesmo um vitorioso. Sem ele o Brasil não teria conseguido muitos dos títulos que conquistou nos últimos anos. Falem o que falar, o cara é bom.
Para quem diz que atletas de alto nível tendem a relaxar depois de sucesso e vitórias, olha aí o resultado que prova o contrário. Um exemplo de treinador que não deixa nunca a peteca cair, nada de desmotivação. Bernardinho, seu nome é trabalho! Com ele não há corpo mole ou estrelismos. Atleta tem que "vestir" a camisa, treinar forte. Bonito mesmo foi ver a sua dedicatória à Fernanda Venturini, sua esposa. Mais romântico e amoroso não poderia ser. Bem se diz, que os "brutos" também amam.

"Esse título foi especial. Pouca gente conseguiu dois títulos seguidos. Mas quero dedicar essa conquista à Fernanda, porque ela merece muito mais esse título do que eu. Ele fez muito pela transformação do vôlei feminino", disse Bernardinho, em entrevista à Rede Globo.

.................................
Like a flame you touched my life
Felt so good felt so right
Time goes fast love grows slow
It's so hard to let go

I'll remember, I'll remember
Now I've got to go
I'll remember, I'll remember
Oh I love you so

You gave so much, didn't ask why
I can't explain so please don't cry
We took the chances, broke the line
Now we're running out of time

I'll remember, I'll remember
Now I've got to go
I'll remember, I'll remember
Oh I love you so

We shot the dice
Played the game
Did it all for love
Do it all again

We shot the dice
Played the game
Did it all for love
Do it all again

Oh so much I want to say
Now it's time to go away
Now forever you're with me (yet)
You're in my soul, I won't forget