terça-feira, 16 de janeiro de 2007

Golden Globe / Globo di Oro

Nessa semana a premiação pré-Oscar teve alguns vencedores surpreendentes, penso eu. Primeiro, a série de TV, digo re-make americano de "Bete, a feia" venceu na categoria série cômica, deixando muita gente furiosa, digo Lost, Desperate Housewives and so on. Clint Eastwood foi premiado por seu filme "Cartas de Iwo Jime", todo falado em japonês (olha aí Marcus!!) na categoria filme estrangeiro e ele ainda teve espírito para uma brincadeira: "Agora que virei um diretor estrangeiro, preciso aprender algumas línguas". Grande Clint. Meryl Streep premiada como melhor atriz pela performance em "O Diabo veste Prada", que eu ainda tenho que ver. Eu adoro mocinhas más. Uma queda instintiva por vilões... Eddie Murpy, popular nos filmes, mas nunca premiado, recebeu a estatueta de melhor coadjuvante. E "Babel", filme ambientado em três continentes e falado em cinco idiomas, foi o escolhido como o melhor filme. Fala de imigração. Muito sugestivo, vindo dos americanos, especialmente. Paranóicos quase beirando a xenofobia, um exercício de mão na consciência. Será?
Na Italia, o final de semana também teve seu "Globo di Oro" às avessas. A Semana foi toda dos treinadores. As manchetes e os holofotes estavam todos virados para eles, os "Mister".
Spalletti, o "pelato" da Roma renovou seu contrato até 2011! Será que até lá ainda terei este blog? Caso sim, vamos ver se o Spalla ainda estará lá na capital. Vida longeva só mesmo a do Sir. Alex Fergunsosn no Man.United. Quase 20 anos...
O Livorno, ou melhor o presidente do clube, mandou o Danielle Arrigoni embora. Aliás, na Italia, os presidentes de clube mandam mais do que os treinadores. O exemplo Eurico Miranda do Vasco da Gama (uups, falei no time) faz sucesso até no exterior. Daqui pegaram o pior mesmo. Que lástima. Eis que o Arrigoni foi mandado embora no ar, no meio de um programa esportivo. Isso, com razão, despertou a ira dos jogadores do time, que partiram em defesa do seu Mister. Entre tapas e beijos, 48 horas depois, Danielle está de volta. Na minha carreira de "pseudo-cronista-torcedora esportiva italiana" ainda não havia visto coisa do gênero. O mais engraçado é que os jogadores, encabeçados pelo Lucarelli disseram que quem merecia sair era o presidente. Tudo isso ao vivo pela TV. Fui estemunha ocular do ocorrido na madrugada de domingo. Não conseguia parar de rir.
Aliás, o Spinelli é uma pessoa muito conflituosa. Ano passado, quando o Livorno estava fazendo um campeonato bom, digo bom mesmo, entre os cinco primeiros, ele disse "adios" para o Donadoni. Me lembro que todos ficaram estarrecidos. Trouxe um treinador medíocre e a campanha do time se tornou ... medíocre. Hoje, o Donadoni é ninguém mais ninguém menos que o treiandor da Italia. Hummmm. Capito. Dá pra entender um cara desses!
Hoje, o Pozzo, presidente da Udinese, que trouxe o Malesani, disse que manda o Galeone pescar (ele é pescador mesmo nas horas vagas) por escassez não de resultados, mas de jogo. Tá! Então ele devia economizar os euros de patrocínio e ser ele mesmo o treinador de sua equipe, já que ele parece entender bem de jogo e tática. Solução rápida, simples e barata, uma vez que o clube ainda tem que pagar o salário do demitido até o final do contrato.
Alberto Malesani, o Male, treinador vencedor do meu ex-Parma, está voltando à ativa. Ele e o Mister Prandelli, pra mim caminham juntinhos, my favorites. Se bem que de estilos completamente opostos. Pranda, um gentleman, elegante e educado, culto. Malesani, um "grosso", nas palavras do meu amigo Gianni, o Joel Santana italiano, adorado pelos jogadores.
Notoriamente conhecido pelo seu chilique há dois anos com a imprensa grega, de quando treinava o Panathinaikos, Malesani paraceia ter caído no esquecimento. De volta, espero que ele consiga retomar sua carreira, sem egocentrismos Male, por favor! Nada de chiliques. Humildade nessas horas is the key. Cada vez que me lembro desse chilique nos moldes de outro italiano, o Trapattoni, em alemão, dou boas gargalhadas.
Há ainda Don Fabio, o Capello, o mais odiado por metro quadrado. No domingo, depois do jogo do Real Madrid ele se voltou para sua torcida e mostrou o dedo médio. Tá registrado para quem quiser ver. Um vexame, que mereceu pedido de desculpas, mas que não será esquecido, jamais. Perguntinhas que não querem calar: foi um desafio, gesto instintivo, arrogante ou de falta de consideração? Pra mimfoi tudo ao mesmo tempo. Cadê o exemplo Don Fabio? Leio surpresa que Real e Bracelona são terceiros colocados. Pensei que fossem últimos.
Para terminar o Mancini, da insuportável Inter. Renova o contrato ou não? Tô doida para ele se mandar pra bem longe. Ele tá cozinhando o Massimo Moratti em banho-maria. Já disse que só conversa sobre renovação depois do campionato chiuso. O campeonato infelizmente já acabou, cara pálida. Só falta vocês pegarem o troféu. Mas isso somente em meados de maio, né? Pedras ainda podem rolar debaixo desse rio.
Como disse, a semana dos treinadores italianos está a mil. E hoje ainda é terça-feira! hehehe FUI!

Malesani na sua versão greco-latina, quando treinava o Panathinaikos. Ele voltou!! Ebaaaaaaaa Me garantirá boas risadas nos finais de semana!