domingo, 15 de abril de 2007

Lady Arts

Para mudar um pouco o assunto, trago aqui uma sugestão de leitura agradável e rica para admiradores de obras de arte.

A tendência inaugurada com a revista 'Caras', continua com jornais de ampla circulação nacional. O momento é de falar sobre pintores, famosos ou não, e suas preciosidades.

Na 'Caras', semanalmente o leitor adquire junto com a revista, réplicas das pinturas mais valiosas do planeta. A coleção é chamada de 'Pinacoteca de Caras'. Nela estão pintores como Van Gogh, Da Vinci, Monet, Johanes Vermeer (personagem no filme 'Moça com Brinco de Pérolas') e outros em 25 volumes.

O jornal 'O Globo' também tem sua coleção, 'Gênios da Arte', editada pela espanhola Girassol. Os livros vêm em tamanho grande, dando destaque mercecido às obras e à vida dos artistas. Ao todo são 24 volumes. Curiosamente, no site do jornal, há pouco destaque à coleção. Será que sou eu que não enxergo. Muito escondido. Nela estão Dalí, Michelangelo, Warhol e mais outros, vide foto abaixo.


Já a Folha de São Paulo, com a mesma proposta, lançou hoje a sua também coleção de artes, a que deu o nome de 'Grandes Mestres da Pintura'. Nessa, os livros são menores e com 20 volumes apenas. Cézanne, Velzquez, Matisse, Miró, Kandinsky, Goya e outros.


A linguagem da arte permanece universal. Ano após ano. Seja na literatura, música ou na pintura, os artistas captam o ambiente em que estão inseridos e conferem a ele uma interpretação apenas peculiar. Uma coisa é certa, no meio de tantas opções, fica difícil optar!

Hoje, lendo o livro sobre o pintor El Greco (Domenikos Theotokópoulos), que viveu em Veneza e em Toledo, soube que ele foi influenciado em parte pelos trabalhos de Veronese e Tiziano, ambos Renascentistas italianos. Ele nasceu em Creta, mas sua carreira artística se desenvolveu na parte 'ocidental' da europa.

El Greco me fascinou desde quando vi a exposição de suas obras no MNBA, aqui no Rio, há cerca de uns 6 anos. Outra curiosidade pessoal, é que Vangelis, músico greco, conhecido por ter criado a trilha de 'Carruagens de Fogo', compôs um álbum inteiro dedicado ao pintor, seu conterrâneo e na capa, figura a obra mais conhecida do mestre, que está logo abaixo 'Cavalheiro da mão no peito' de 1580. Trata-se de um personagem melancólico e sereno, com grande expressividade no rosto e nas mãos, predominando os tons escuros. Um retrato lindo de se ver e com uma expressão fabulosa.