domingo, 8 de julho de 2007

Everybody Loves a Happy Ending

Preparou-se com esmero. Escolheu seu melhor vestido e saiu de casa em uma tarde de sábado ensolarada. A cerimônia aconteceria nos arredores, mas com o pouco de calor que fazia, preferiu pegar um táxi, sob o risco de ter a maquiagem borrada, o rosto molhado e os olhos vermelhos pelo sol que insistia em brilhar. Era esse mesmo brilho que ela sentia dentro dela. Preparava-se para se emocionar. Pressentia, desde o momento que saiu de casa, que aquela tarde seria mágica.

E foi. Ao chegar, um pouco atrasada, misturou-se aos convidados. Sentiu-se um pouco perdida, pois só conhecia os donos da festa. Sentou-se e atentamente ouvia o que aquele homem dizia. Suas palavras eram doces. Falavam da beleza da vida, da completude, do sentido que damos à ela.

Ao longe, viu duas pessoas que conhecera há poucos anos. Com elas teve muitos momentos de pura diversão adolescente. Das brincadeiras no metrô aos passeios para a Barra, das idas à praia nas férias às sessões de cinema de madrugada e os viu alimentar a cada dia de convivência, o amor que naquela tarde celebravam.

Após a cerimônia, juntaram-se todos. Sentados ou em pé, os convidados cantavam ao som das músicas escolhidas a dedo. Músicas do nosso tempo, músicas que são a trilha sonora desse casal. Violões, teclados e uma voz ao fundo a cantar. Quem era? Uma daquelas pessoas tímidas, que jamais ousara cantar em público, mas que tomou coragem para dedicar a seus queridos amigos a música que tanto gostavam.

Agora, não são apenas os dois. Passaram a ser três. Uma bela menina pequenina, que será, com certeza, igual aos seus pais. Estará sempre por aí nessa terra de sonhos, sorridente e bagunceira. Bem-vinda Alice ao país que tem uma das 'Sete Maravilhas' do mundo moderno. Que você seja abençoada pelo 'Cristo Redentor' e que seja muito feliz!