quinta-feira, 5 de julho de 2007

A 'Paciência' de Lenine

Acho que é o que mais preciso nesse momento... Mas eu sou um pouco ansiosa, e aí? A vida é mesmo tão rara. Até onde sabemos, só temos essa! Ter paciência com o mundo em movimento é uma tarefa árdua. Esperar, enquanto o relógio continua a ter seus ponteiros em movimento é difícil, mas falta pouco. Uma única semana, e terei de volta aquela mesma sensação de liberdade de que tanto gosto e que me completa. Estar livre para voar, sair por aí, com a mochila nas costas e me aventurar por estradas nesse enorme país chamado Brasil. Acordar no Rio e dormir a 14 horas de distância. Sentir o cheiro do mar de manhã e respirar o ar do campo à noite... Dormir e acordar ao som de sirenes e automóveis frenéticos e no dia seguinte, ouvir o canto dos pássaros lá ao longe e bem perto...

Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede um pouco mais de alma
A vida não pára
Enquanto o tempo acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora vou na valsa
A vida tão rara
Enquanto todo mundo espera a cura do mal
E a loucura ou finge que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência.

O mundo vai girando cada vez mais veloz
A gente espera do mundo e o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência
Será que é o tempo que lhe falta pra perceber
Será que temos esse tempo pra perder
E quem quer saber
A vida é tão rara, tão rara.

Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma
Mesmo quando o corpo pede um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não pára, a vida não pára não.

Será que é tempo que lhe falta pra perceber
Será que temos esse tempo pra perder
E quem quer saber
A vida é tão rara, tão rara
Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não pára, a vida não pára não, a vida não pára.

Foto do post: Bela Toscana