sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Uma tarde no museu.

O Centro Cultural Banco do Brasil está localizado numa área conhecida por ser um pólo cultural do Rio de Janeiro. Vizinhos ao prédio histórico, que abrigou a sede do Banco do Brasil a partir da década de 1920, estão a Casa França Brasil e o Museu Histórico Nacional.


2008 é o ano em que se comemora os duzentos anos da chegada da Família Real Portuguesa ao Brasil. Para relembrar esse importante acontecimento de nossa história, a instituição é palco da exposição 'Lusa - a Matriz Portuguesa'. Nela, Portugal é enfocada nas suas raízes, desde a Pré-História aos anos de 1500. Dos povos antigos ao domínio romano. As inluências árabes, judaicas e cristãs até a época das grandes navegações, período do apogeu do país, são revistos em várias peças de ouro, cerâmica, mármore e bronze. Tapeçarias e mosaicos, dão um toque revelador para quem pocuo conhece sobre a história lusitana. Quem é enfim esse povo? Quais as suas características culturais? Como se formou a sociedade portuguesa? Foram essas as indagações que os curadores da exposição procuraram responder.


Ao visitar a exposição na tarde de sexta-feira, optei pela visita guiada. A escolha não poderia ter sido mais acertada. O guia, além de simpátio e atencioso, demonstrou ter a segurança necessária para guiar o grupo e responder às tantas perguntas que iam surgindo no caminho. Olhava para nós e fazia os questionamentos. Ele aguçava nossa curiosidade ao fazer-nos pensar a respeito do que estávamos vendo.


Em cada uma das salas que fomos visitando, o que mais chamou a atenção de meu ouvido musical foi a conjugação de imagem e som de acordo com o contexto histórico. Por exemplo, a primeira sala, a que retratava o período Pré-histórico, não havia música, mas ouvia-se o som de água, pássaros, barulhos que nos faziam pensar que alguém marretava ou procurava derrubar algo. Já na sala que cuidava da presença islâmica, era possível ouvir ao fundo, músicas árabes. Da mesma forma que o canto gregoriano tocava na sala onde vimos um pouco do Cristianismo Medieval, representado por obras góticas e românicas.


Quando do descobrimento do Brasil, vale lembrar, Portugal era a nação mais avançada tecnologicamente da Europa. Desenhos de caravelas e miniaturas destas estão em uma das salas reservada para a ciência. E ainda pude ver pela primeira vez ao vivo e a cores um astrolábio. Mas o que é um astrolábio? Bem, ele é um instrumento naval antigo, usado para medir a altura dos astros acima do horizonte.


Se você mora no Rio de Janeiro, não perca a oportunidade de ir ao Centro Cultural. Além de ser um local agradável, a visita será premiada com um pouco do que fez e ainda faz parte de nossa história, enquanto país tão rico nas suas diversidades. Se você está em São Paulo ou em Brasília, aguarde, pois ela chegará até você.


Fotos do post: Revistamuseu.com.br