domingo, 18 de maio de 2008

'Ibra'Nazionale de Milano: Campione d'Italia!

Grande Zannetti: Campeón!

Algo me dizia que seria esse sueco a decidir o título para a Inter. Ao vê-lo entrar em campo, não pude deixar de pensar que seria dele, muitas vezes massacrado por críticas, o gol da vitória do clube de Milão. Ele entrou, fez os dois gols e comemorou. Decretou o rebaixamento do Parma e destruiu as esperanças de título dos romanistas. Parabéns para ele. Não tanto para a Inter.
Ah, antes que me esqueça, de tudo que compõe o mundo interista, faço homenagem a um pessoa: o capitão do time, o argentino Zannetti. Com ele a Inter fica mais simpática.


'Bravo ragazzi', parla Mister Zenga.

Walter Zenga, goleiro de uma super Inter do passado. Assumui um Catania desacreditado e venceu o desafio de ser treinador em seu próprio país, mesmo com a desconfiança daqueles que duvidavam de sua competência. Com ele, o Catania permanece na Serie A.


A UEFA é um prêmio para os rossoneri. Não acho que a mereçam pelo conjunto da obra apresentada na Serie A. O Carlo Ancellotti motivador desapareceu. Sucumbiu às pressões pela repetição da campanha vitoriosa da temporada anterior na Champions. Foi aí que o time apostou todas as suas fichas. Apenas esqueceu-se de contar com o fato de que no futebol a caixinha de surpresas pode presentear e pode, também, desagradar. O todo poderoso time de Berlusconi foi-se... Uma pena que o Berlusconi voltou.


A Florença do Renascimento Calcio fala a língua de Prandelli

Cesare Prandelli: do drama à glória. Disparado o melhor treinador da Itália. Com ele a Fiorentina apostou alto. Investiu o dinheiro dos irmãos Della Valle em um projeto a longo prazo. Três temporadas, três vezes Europa e na última a Champions League, o prêmio maior. Achavam que o time não poderia se recuperar do golpe da eliminação da UEFA, e eis que ressurgiram, contando com a preciosa ajuda do Milan, que cochilou o campeonato todo e acordou quando já era tarde demais. Um Vieri renovado, mas que pecou quando mais se precisou dele. Um Mutu inspirado. Um grupo unido e consciente de sua capacidade. Um timoreiro que nunca abaixa a cabeça. Sempre olhando pra frente, ele, Prandelli, conseguiu mais uma vez. Bravo Mister!


O Parma. Equipe que já foi parte do seleto grupo das equipes grandes do Calcio. O grupo chamado de 7 sorelle, hoje não passa de 5, já que junto com a Lazio e seus problemas extra campo ligados aos seus ex-donos gananciosos, passaram a ser coadjuvantes em um campeonato que novas forças surgiram. Há algumas temporadas já vinha flertando com a segunda divisão. Fato é que quem rebaixou o Parma foram seus presidentes: Tanzi pela ganância e falta de caráter. Ghirardi pela inexperiência.

Assim, mais um capítulo de minha história com o Calcio termina hoje. Desde da temporada 94-95, acompanho sistematicamente todas as rodadas. Parece estranho, mas a verdade é que as manhãs de domingo de setembro até maio são sempre ocupadas com o futebol italiano. E melhor do que isso, conto com o respeito de amigos e família para essas duas horas solenes de festa e diversão.

O fim do Calcio será comemorado com canelloni. Até a próxima temporada!
Que venha a Euro.