segunda-feira, 23 de junho de 2008

Una Emozione Per Sempre: Manaus 92

Não foi a primeira vez que havia viajado para Manaus. Sua paixão e curiosidade por aviões deve ter começado já no fim da década de 70, quando entrou dentro de um pela primeira vez, aos 3 anos de idade. Estava com sua mãe e seu pai. As fotos que tiraram dentro da aeronave já mostravam, através do olhar assustado da menina, que aquele ambiente, por mais que não fosse familiar, causava nela alguma espécie de fascínio.
Essa menina era eu. Hoje, três décadas depois dessa experiência, resolvi escrever um pouco sobre as viagens que fiz ao longo de minha vida. Não foram muitas. Para cada uma delas, uma lembrança. Uma foto ou um bilhete. Um pequeno saco, com um valor inestimável em que guardo registros dos lugares por onde passei. E que a partir de hoje, compartilho com vocês.

-----------------------
Manaus - julho de 1992

O mais inusitado nessa viagem foi que na primeira semana em que chegamos, o Vasco da Gama viajaria para disputar uma partida da Copa do Brasil contra o Nacional, time local. Alguém soube dos vascaínos que viviam lá em casa, eu incluída, e sugeriram que fôssemos ao estádio acompanhar a partida.

A partida aconteceria dia 28 de julho à noite, no Estádio Vivaldo Lima, conhecido como Vivaldão. Como um passeio de família, iriam 3 dos meus tios, minha mãe, uma penca de primos e eu. Antes, à tarde, fui conhecer uma parte da Zona Franca de Manaus e convencer a mãe de me comprar algumas coisas, dentre elas um pôster do Metallica que havia visto em uma loja e algumas daquelas canetas coloridas, cheirosas e brilhantes que serviam para enfeitar os cadernos da escola.

Estávamos assim, numa loja de cama, mesa e banho. De repente, vi dois homens com camisas do Vasco da Gama. Alguns segundos depois, percebi que um deles se parecia com o Luisinho Quintanilha, eterno volante raçudo que também gostava de distribuir uns pontapés nos adversários. Ele havia acabado de assinar com o time depois de uma longa carreira no Botafogo. Cheguei perto de onde minha mãe estava e comentei com ela que achava que era um jogador do Vasco. Óbvio que ela me incentivou a ir falar com ele, mas a timidez não me deixou.

A corajosa e destemida D.Sofia foi em direção a Luisinho e perguntou o nome dele. Ao ouvir a resposta afirmativa, perguntou se ele tinha certeza disso e ele, numa risadinha disse a ela: 'Claro. Luisinho, jogador do Vasco da Gama, muito prazer.' Eu, meio que afastada ouvi esse interessante diálogo. Mas não ficou só nisso. Mamma me chamou:

- É ele mesmo minha filha. Venha cá falar com ele!
Vermelha de vergonha, me aproximei e minha mãe fez as devidas apresentações:

- Essa é minha filha, Cyntia. Vascaína doente como o pai. Reconheceu você, só que é muito envergonhada. Você poderia dar um autógrafo para ela?
- Claro, dona Sofia. Uma folha, por favor...

Ele assinou o papel e educadamente me cumprimentou com um abraço e ainda por cima apresentou seu companheiro de clube, que mais tarde seria um dos vascaínos mais comentados dessa geração campeã carioca, o zagueiro Jorge Luís. Ele também assinou o papel. Depois, sorridentes, me perguntaram se iríamos ao estádio uma vez que nesse momento já sabiam da saga da família Santana. Mãe e filha passando férias em Manaus, o pai trabalhando e uma penca de primos e tios torcedores do Flamengo. Todos, menos eu, iriam ao estádio torcer para o 'Grande Nacional'!

Saímos juntos da loja. Em seguida, nos despedimos e cada um foi para seu lado. Meus olhos brilhavam. Meu coração batia forte de alegria. Foi algo inusitado. Daquelas coisas que só acontecem comigo, principalmente quando estou longe de casa...

À noite, fomos para o estádio e fizemos um verdadeiro piquenique nas arquibancadas. Laranjas descascadas, churrasco, hamburguers e muita animação. O jogo terminou empatado em 1 a 1, mas o resultado era o que menos me importava. Já tinha ganhado um pequeno trofeú bem antes, naquela tarde. A chance de falar alguns segundos com um ídolo do meu time de coração.

O autógrafo de Luisinho se perdeu ao longo do caminho, mas o ingresso do jogo, conservo comigo. Una Emozione Per Sempre!