sexta-feira, 13 de março de 2009

PsicoSoluções Para um Calcio Malato

L'Inter finirà la stagione senza la Champions...

Para começar: comprar. O verbo da vez é esse. Os times italianos na champions parecem a Sampdoria. Eles vão competir e acham que está tudo bem. Querem chegar ao topo, mas sem o mínimo esforço. Vejamos:

- A Inter está sem um defensor decente. Ver em campo Rivas é de dar dó. Na verdade, o time é bom para o Calcio, mas na hora de enfrentar times europeus, e nem falo de gigantes, o time não dá o salto de qualidade. Depois de serem eliminados por Liverpool, Valência, Villareal e Milan, tá na hora de mudar o cenário. Nessa edição, a Inter venceu apenas 2 partidas. Empatou e perdeu 3! Para quem almejava o título, foi um fracasso rotondo. A Inter padece com um time recheado de contusões. Tem um banco para atacantes, mas para outras posições é carente. E todo ano anunciam que querem vencer a Champions. Quando chega na hora 'H'... Nem Mourinho conserta. PsicoRecomendação ao Special One: cuidar de seu jardim e falar menos! Scudetto é obrigação.

- A Juventus é o que se vê no campeonato. Com Ranieri não dá para apostar em nada. Desde o início dessa Champions não apostava no time de Turim. Venceram seu grupo, mas caíram diante de um Chelsea revigorado. De repente, depois da porta arrombada, o Sr. Cobolli Gigli disse que o time vai ás compras. Era o mínimo, né? E a roupa suja começa a ser lavada, mas em público. Uma pena. Não parece ser o comportamento natural da Signora. PsicoRecomendação: Usar e abusar do dinheiro da Fiat e investir em recursos humanos. A começar pelo allenatore. Arranjar um novo Nedved e um novo Del Piero já, antes que seja tarde.

- A Roma é o time do quase. Chegaram a respirar na Champions. Levou sua partida para a prorrogação, mas pênalti é loteria e quando se tem um maluco como Vucinic, a disputa se torna kamicaze. Pelo menos a Roma venceu uma partida do confronto das oitavas. De onde se menos esperava, poderia ter sido da Cidade Eterna a salvação da Itália na competição. PsicoRecomendação: Menos chororô e mais ação. Qualquer semelhança com o Botafogo do Rio é mera coincidência. E jogadores para jogar. Daqui a pouco, a Roma entra em campo com roupeiro, magaziniere, acessor de imprensa, team manager e Bruno Conti! Bem, esse aí até que daria conta do recado, né?

Moral da história: poucos investimentos, corrupção, violência. Esse é o cenário do futebol italiano nos últimos anos. Enquanto os clubes continuarem a achar que podem viver de passado, os vexames vão aumentando cada dia mais no cenário europeu. Competir domesticamente é fácil, competir com modernidade é que custa.

De volta ao mundo real. As vagas para as competições européias são distribuídas com base no ranking da UEFA. A Itália é terceira. A Alemanha vem logo atrás. Com mais uma temporada fracassada como essa, a Itália pode perder o terceiro lugar e como consequência, perder uma vaga para a Champions. De 4 passa a ter apenas 3. Acrdem dirigentes do Calcio!