domingo, 29 de março de 2009

Una Emozione Per Sempre - Milano/Torino


Em 1995, quando meu pai me levou para ser sua co-piloto em um tour pela Europa, tinha uma certeza ao sair de casa. Teria que ir à Turim ver de perto o Estádio Delle Alpi. Pedi, implorei para ter meu desejo atendido. Meu pai era resistente à idéia, imaginando que nada mais haveria na cidade para ser visto. Bem, para mim, não tinha mesmo. Queria ver o estádio e depois voltaria para casa muito feliz. Quero dizer, para o hotel.

Saímos em um dia de muito calor. A distância que separa Milão de Turim é curta. Praticamente duas horas. A estrada estava boa. No verão, a concentração maior era nas regiões litorâneas. Mesmo assim, nos restaurantes em que paramos, havia sempre muita gente. Sentados nas mesas do lado de fora ou sentados em toalhas debaixo das árvores que cercavam o local. Turistas como nós, só que iam para outros lugares. Malucos para visitar Turim somente meu pai e eu, principalmente.

No caminho, trouxe uma recordação. Uma revista Hurrà Juventus que anunciava na capa o início dos trabalhos para a temporada 95-96, em que o time defenderia seu título. 'Al Lavoro', estava escrito. Tive tempo ainda de comprar uma dessas bandeiras enormes que as torcidas usam no estádio. Nela já vinha escrito o fresquinho título de campeã da temporada. Quanto mais nos aproximávamos da cidade, mais meu coração batia forte.

Chegamos mais ou menos ao meio-dia. Um sol de rachar. Nos dirigimos para a área central da cidade onde a calçada coberta, criação da família real italiana e a Mole de Torino faziam-me suspirar e me emocionar. Até então, estar ali era apenas um sonho e numa manhã de julho esse sonho se tornou realidade e estava diante de meus olhos e de meus pés.

Havia pouca gente circulado pela área. Bares e restaurantes abertos e meu pai, que sinceramente, não estava lá admirado com o que via, me chamava para seguirmos viagem. Sabíamos que o estádio ficava numa área afastada do centro da cidade. Me recordo de uns velhinhos sentados papeando, provavelmente tomando uma birra gelada, e eu, que andava até eles para pedir informação.

Seguimos o caminho indicado e em 25 minutos, mais ou menos avistamos do carro as famosas colinas dos Alpes. Aquelas mesmas que víamos pela TV quando o estádio era mostrado panoramicamente. A área era enorme. Muito maior do que imaginei. E ao fundo, o templo da Juventus e mais, o local em que o Brasil, na Copa de 90, fez as suas primeiras partidas. Voltei no tempo e me vi aos 15 anos vendo o estádio pela TV. Me aproximei a meses dali e recordava as imagens de TV mostrando juventini comemorando as vitórias da Juve e logo depois, o scudetto.

O estádio não estava aberto à visitação pública na época. Mas isso não me incomodou. Eu queria apenas vê-lo e trazer na memória para sempre o dia em que vi o Delle Alpi, o lugar em que Baggio, naquela época já um ídolo pra mim, jogou por anos e onde Del Piero dava seus primeiros toques de classe que já me encantavam. Na volta para Milão, dei um beijo em meu pai e agradeci por aquela escapadela do roteiro.

Hoje, o Delle Alpi já quase não existe mais. Será demolido e em seu lugar, nascerá um novo e mais moderno estádio de propriedade da Dama de Turim. Pela grandeza e história da Juventus, ela merece ser a pioneira. Espero um dia retornar lá e mais uma vez trazer na bagagem um pouco dessa história bonita que tive o privilégio de conhecer.

Bem, depois desse dia legal, outro me aguardava... O dia de visitar San Siro...