domingo, 26 de abril de 2009

Operação Salvamento Parte 1

Se na Fórmula 1 as regras novas com tantas restrições deixaram as corridas mais monótonas, no Calcio, as ultrapassagens são emocionantes. Tomem como exemplo o Milan. Começou a temporada desacreditado, sem Champions League e diminuído na Copa UEFA. Como castigo, foi eliminado pelo Werder Bremen e continuava a praticar um futebol irregular. De repente, numa das últimas curvas, ultrapassa o carro Juventus pilotado por Ranieri e assume o segundo lugar na tabela.

Inzaghi. Esse é o nome do mecânico que ajeitou o carro rossonero. Colocou-o na pista em forma. Já está virando rotina ler seu nome na tabela de marcadores. Para quem curte números, gol de número 150 na Serie A. E o carro voa na pista.

A Inter é que abra o olho. Já vê o carro de Ancelotti pelo retrovisor e há riscos de chuva, deixando a pista mais perigosa propensa a derrapagens. O carro de Mourinho sem combustível, abandonou a prova na 28ª volta, deixando seus torcedores muito chateados.

Firenze tem pouca tradição em corridas, mas o chefe da equipe, Cesare Prandelli não é de desistir fácil. Sua equipe figura entre as 4/5 primeiras desde que assumiu o controle de operações e de estratégias da Fiorentina. Com ele, Gilardino acelera e só para no gol.

Na capital, Roma e Lazio são carros que pareciam bem melhores do que são. Spalletti como piloto é kamikaze. Se tiver um buraco no caminho, sua defesa é ir para ele e afundar... Já Delio Rossi é tímido e pouco agressivo. Consequentemente, seus adversários batem forte e o tiram da pista com frequência. Dessa vez, foi vítima do carro neroazzurro atalantino, cujo piloto, Luigi Del Neri, já garantiu que ao fim da temporada, mudará de equipe.

A Udinese, depois da entrada do safety car nessa última prova, aproveitou-se do vácuo deixado pelo mesmo e numa manobra arrojada, deixou para trás o Chievo, que para proteger-se jogou-se com tudo nos pneus de segurança...

A Sampdoria, cujo piloto Mazzarri já está mais do que satisfeito com a performance nas Milhas de Le Mans - Itália, sofreu hoje. Algo costumaz para um carro que nem contando com a ajuda do combustível aditivado da ERG consegue deslanchar. Resultado, depende do seu co-piloto Cassano estar em bom dia.

Na turma da última fila, temos o Bologna. Um carro que tinha tudo para ir bem, mas com motor fraco, suspensão cheia de problemas e mecânicos desastrados, abandonos se tornaram frequentes. Entretanto, a estrela do team manager Di Vaio brilha solitária e ele garante momentos que fazem os torcedores vibrarem das arquibancadas. O 'cavalino rossoblù' chega na frente do Genoa, xará nas cores, e que hoje não resistiu, abandonando a corrida depois de uma ultrapassagem meteórica no início da prova.

Tem ainda aqueles que não arriscam e nem petiscam nada. Mas vivem se metendo em acidentes especialmente na largada. Quando você vê aquela fumaça toda na pista, tenha certeza de que isso tem nome: Reggina, Cheivo, Torino. Esses carros vivem na brita, arrumam confusão nos boxes na hora do reabastecimento e no fim, só lhes resta o consolo de terminar uma corrida, mesmo que nas últimas posições.


Escolha seu carro e grite: Gooooollll!!!