terça-feira, 30 de junho de 2009

Câncer!

É isso. Há pessoas que funcionam como câncer. Tem natureza maligna e penetram na vida das outras arrastando-as por uma caminho de lama e desgraça. Assim é Luciano Moggi.

Hoje me causou enjôo ler no noticiário esportivo da Itália um pretenso convite da família Menarini, hoje acionista do Bologna, para que o ex DG da Juventus assumisse o cargo de consultor de mercado, ou quem sabe até mesmo passasse a ser acionista do clube num futuro próximo.

Se a notícia for essa mesma, com a família convidando o cara para ajudá-los na gestão do clube, penso que eles mais uma vez mostram não saber nada de futebol, ou estão sendo iludidos pela falsa boa fé de um cara que é responsável por uma das maiores, senão a maior crise que o futebol daquele país atravessa, que nem o título mundial foi capaz de amenizar. A instituição futebol italiano está desacreditada. E deixar clubes nas mãos de pessoas como essas é algo que me assusta.

O Bologna merecia um lugar na Segunda Divisão, pois com pessoas dessa estirpe, o clube perdeu de vez sua imagem de sociedade séria. Imagino o que os tifosi verdadeiros do clube não vão aprontar lá em Emilia Romagna? É aguardar e ver.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

'No, YOU can't, but WE can'

domingo, 28 de junho de 2009

'PDV Lírico' - Fernando Pessoa


Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo : "Fui eu ?"
Deus sabe, porque o escreveu.

sábado, 27 de junho de 2009

Give In To Me - A Tribute to Jacko


Michael Jackson - Give In To Me (Official Music Video) - Celebrity bloopers here

Depois de ouvir esa música e Beat It, chego a conclusão que Michael Jackson sabia bem escolher os músicos que o acaompanhavam em discos e turnês. Em cada década, trabalhou com dois maiores guitarristas que arrepiavam os cabelos dos mais jovens: nos anos 80 com Eddie Van Halen e nos anos 90 com Slash, do Guns 'N' Roses.
Só mesmo o João Marcelo Bôscoli para criticar 'Beat It'. Cada vez que o escuto cometer tal sacrilégio, fico subindo pelas tamancas...

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Um Homem No Espelho

Michael Jackson (29/08/58 - 25/06/09)

'I'm gonna make a change
For once in my life
It's gonna feel real good
Gonna make a difference
Gonna make it right...'


Todos nós crescemos e caregamos com a gente um sonho. Uns querem uma casa, outros um carro. Há crianças nesse mundo que só desejam uma única coisa: ter uma vida.

Em países onde há guerra, os habitantes locais desejam paz. Em países onde há fome, um prato de comida por dia já faria a diferença.

Para aqueles que viveram a pressão e a renúncia à palavra dos regimes totalitaristas, o direito à livre expressão.

O mundo por perdeu seu Rei. Como ele, não houve nenhum outro. Recordista de vendas de discos. Um talento nato. Uma vida com retoques de crueldade pela incessante perseguição pela imprensa. Uma personagem excêntrica que não coube no frágil corpo de criança e que viveu sua vida tentanto manter-se assim. Alguém que fez de sua carreira uma constante fonte de notícias. Ele, como ninguém, viveu seu auge e queda intensamente.

Muitas vezes a dimensão do que vivemos só pode ser medida de acordo com o impacto que as notícias têm ao nosso redor. Acreditar que Michael Jackson, tão jovem, morreu, foi uma sensação estranha. Em um dado momento, cheguei a pensar na comoção pela morte dele, como um replay da trágica morte de Diana Spencer, ex-Princesa de Gales. mas não, não é possível traçar um paralelo entre ambas. São mundos distintos e, portanto, incomparáveis.

Só o futuro poderá nos mostrar o quanto pudemos testemunhar da história e evolução da música pop, que ouso dizer, se divide em antes e depois de Michael Jackson.

'... I'm starting with the man in the mirror
I'm asking him to change his ways
And no message could have been any clearer
If you wanna make the world a better place
Take a look at yourself
And ten, make a change...'



Goodbye Jill Munroe

Uma pantera toca o céu. Com graça e juventude. Traz consigo o sorriso de menina e a beleza de mulher que encantou e meteu medo nos valentões dos anos 80.

Uma boa parte de minha infância foi passada na frente das telas de TV. Gostava das séries de aventuras. E dentre eles, 'As Panteras' ou em inglês 'Charlie's Angels'. Tenho lembranças de que cada uma das minhas bonecas adquiriam vida própria nas histórias que via e depois repetia nas tardes em que brincava na minha 'casa de bonecas' no quintal de casa.

Esse espaço que criei me fez de alguma forma compensar a solidão de criança sem irmãos. Assim, podia estar sozinha e acompanhada das heroínas vestidas e elegantes que desfilavam talento a serviço de um misterioso Charlie.

Aos poucos sua beleza foi desaparecendo e as marcas da vida passaram a delinear seus traços ora graciosos. Do casamento com Ryan o'Neil ao ostracismo na carreira. Farrah Fawcett, 62 anos, praticamente sumiu das telas de TV, participando apenas de pequenas produções. A bravura e coragem que caracterizaram sua personagem na famosa série de TV, não foram suficientes para derrotar o mais duro vilão de que tivera conhecimento: um câncer retal. Na manhã de hoje, deixou este mundo para juntar-se aos anjos no céu. Os mesmos que guiaram sua carreira e estiveram ao seu lado durante seus últimos dias.

Farrah Fawcett (02/02/47 - 25/06/09)

domingo, 21 de junho de 2009

Vivendo Metaforicamente

Itália 'literalmente' no chão!

Quanta coisas podemos tirar da derrota da Itália para o Brasil hoje:

A Itália caiu diante de um gigantesco Brasil.
Itália no chão.
Itália naufraga na Copa das Confederações.
A Itália não entrou bem.
A Itália jogou sonolenta.
O tombo da Itália.


Do mesmo modo, podemos pensar o mesmo sobre a soberba vitória do Brasil. Vale lembrar que há 39 anos o Brasil trazia para casa a Taça Jules Rimet como o primeiro tri-campeão mundail de futebol... E quem disse que a história não pode se repetir?

O Brasil despacha a Itália para casa.
O Brasil dá show.
O Brasil dá uma dura lição aos 'azzurri'.
Brasil goleia e elinina a Itália.



Definitivamente, nunca havia parado para pensar seriamente no quanto vivemos cercados de metáforas. O sentido das palavras sendo deslocados seguidamente formando um belo mosaico linguístico...


Foto do post: Folha.com.br

sábado, 20 de junho de 2009

The Sun and Life


Sunshine on my shoulder makes me happy.
Sunshine on the water looks so lovely.
Sunshine almost always makes me high.
If I had a day, that I could give you.
I'd give to you a day just like today.
If I had a song that I could sing for you.
I'd sing a song to make you feel this way.

Ótimo final de semana para vocês, amigos do 'Blog PDV'!

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Fogo!

Quase não deu para acreditar quando o menino exclamou!

- Faço o teste hoje!

A professora entregou-lhe a prova escrita e desejou-lhe boa sorte. Dentro dela, ela tinha a sensação de que essa idéia não era má, mas parecia ser meio inútil.

De vez enquando ela passava perto da carteira onde ele se sentava para, de relance, via algumas respostas. Depois de uns 10 minutos ele não havia perguntado nada. Isso era um bom sinal, mas no caso dele, uma incógnita.

Terminada aquela prova, havia mais uma. O menino deveria escutar um cd para escolher as respostas para perguntas dadas, identificar as figuras correspondentes ao que ouvia e no fim, um ditado.

O assistente da professora providenciou o discman e o fone de ouvido. Enquanto isso, o pequeno olha a prova que está prestes a fazer e fiz inúmeras perguntas que são intermediadas por comentários sobre a Fúria Espanhola, que, na opinião do 'jovem cronista esportivo', é a melhor seleção do mundo. Não se ousou discordar.

O discman é conectado com o adaptador e o cd e colocado lá dentro. Tudo pronto. A prova vai começar.

Subitamente um cheiro estranho invade a sala. O nariz dos alérgicos da turma é poderoso. Parece que o cd player e o adaptador não queriam se entender naquela manhã e o menino então morria de rir com o assistente tentando descobrir o que poderia estar acontecendo. O laudo técnico dizia:

- Aparelho prestes a queimar...

Macgyver, fera na arte de operar milagres nas condições mais desfavoráveis, interveio. Para ele, o aparelho apenas precisava de pilhas novas. Foi até a secretaria e solicitou pilhas. Foi prontamente atendido.

Voltou para a sala e as colocou no aparelho. Nada dele funcionar. E desta vez, o atestado emitia um laudo ainda mais sério:

- Aparelho em processo de ...

- Cuidado! Há fumaça saindo dele! Gritou o assistente da professora, que até o momento, permanecia em estado de relaxamento e contemplação búdica.

Eis que ela é despertada não pelo cheiro da fumaça ou pelo fato do aparelho estar se queimando, mas pelo grito do seu ex-aluno e agora colaborador. A reação dela foi imediata, soltou um grito ainda maior e derrubou o aparelho no chão. De nervosa que ficou, seus olhos arregalaram-se e os alunos começaram a rir. Logo, logo, ela pensou tratar-se de uma brincadeira.

Seu aluno então disse:

- Se o discman não estava queimado, depois desse tombo, acabou-se de vez! E todos começaram a rir. Até a professora.

E não parou aí. O rapaz continuou:

- E agora? Vai dizer que a Espanha não é a melhor seleção do mundo ou vai continuar dizendo que essa porcaria da Itália joga alguma coisa? Hein? Hein? ...


Assim, acabou mais uma aula da turma do 'Clube do Bolinha e Duas Ladies'. Segunda-feira, essa mesma professora deverá acertar as contas com o cronista esportivo da turma, que aliás, a presenteou com o bonequinho do Ibrahimovic. Ou ele pede o brinquedo de volta ou vai passar o resto do ano fazendo piada porque a Itália perdeu do Brasil!!

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Unbelievable


Simple Minds no Brasil! Em setembro e no Flamengo...

É muito, mas muito mais do que poderia pedir a Deus.

Anos. Anos e anos eu espero por esse momento. Para ver essa banda que até hoje me apaixona.

E curiosamente hoje, sem saber da notícia, comprei o CD novo para ouvir.

Ainda estou chocada.

Quase não consigo acreditar.

Por favor, alguém me belisca?!

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Suffer Well? - No, Thank you. But The Song Is Nice!



Dedicated to a dear friend.

domingo, 14 de junho de 2009

Vencendo Barreiras

Acabo de colocar o ponto final no meu primeiro artigo científico. Artigo esse que precisei escrever para uma das disciplinas no meu curso de Pós-Graduação.

Sua gestação não foi das mais fáceis. Durante as 3 horas sentadas à frente do computador, enjoei e tive muitas contrações. O menino nasceu forte e saudável. Ele se chama 'Reflections upon the Internet and Language Teaching' e nasceu com 801 palavras às 21:50 deste frio domingo, 14 de junho.

Numa semana em que me vi em constante conflito com o mundo e comigo mesma, esse nascimento representa mais do que um momento criativo, representa meu início criativo no mundo profissional.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Promessi Sposi

Hoje é comemorado no Brasil o Dia dos Namorados. Em homenagem à data romântica que mesmo em tempos de crise é celebrada, o 'Blog PDV' escolhe uma personagem que não se cansa de provar o amor de diversas formas: Boris Becker!

Ele teve uma mulher negra, a Barbara Feltus. Causou escândalo na Alemanha. Casou-se e teve filhos lindos. Aliás, ela deixou marcas profundas em Boris. Eles chegaram a reatar o casamento diversas vezes.

Namoros aqui, flirts ali e Becker sempre escolhia namoradas parecidas com Barbara até que dessa vez, a felizarda é a holandesa Sharlely 'Lilly' Kerssenberg. E não é que ela lembra... Barbara?!

Felicidades para o casal, pois everybody loves a happy ending!

quinta-feira, 11 de junho de 2009

O Mistério das Armas

Reza a lenda que quem é solitário vaga pela noite a procura de aventuras. Com ele nunca fora diferente. Bruce Wayne dirige seu carro pela noite e do lado de fora da janela, a lua é a única coisa que ilumina o caminho.

Não muito longe dali, exatamente à meia-noite, um terrível incidente. Dr. Loria, renomado físico, é encontrado morto na biblioteca de sua mansão. A encontrar o corpo, seu secretário Frings de Fringe. A princípio, não havia sinal de violência. Tudo parecia normal na sala. Se alguém entrou ali, fora a convite do Dr. Além disso, o sistema de alarme estava intacto, sem que a central recebesse algum sinal de arrombamento. Na mesa, entretanto, um envelope cinza escuro. Dentro dele, um bilhete datilografado dizia:

Sua vida corre perigo. Espere-me para um encontro hoje.
Vestirei preto e dirigirei um Corvette.

Não havia assinatura. Nem ao menos uma pista. Dr. Loria tirara o dia de folga e não fora ao consultório. Parece que trabalhava em um projeto secreto. Seu teor, nem mesmo Dr. Joss, seu assistente no laboratório, conhecia.

Logo, logo, o noticiário da TV anunciava o terrível acontecimento. Mal dormira, Gotham via-se diante de um pesadelo. Logo pela manhã, ao acordar, Alfred conversa com Wayne no café. A notícia não o pega de surpresa. Há tempos, Bruce vinha desconfiado de que Dr. Loria corria perigo de vida por seu envolvimento recente com a venda de tecnologia de armas químicas para nações do chamado Mundo Árabe. Ele só não esperava que o desfecho dessa história acontecesse assim, sem aviso e sem nenhum tipo de comunicação do Dr. Eles mantinham contato desde quando o cientista fora vítima de um atentado há dois anos atrás ao sair de seu antigo laboratório no subúrbio de Gotham.

Na ocasião, nada fora descoberto sobre quem cometera o ato. O Dr. escapara apenas com um ferimento leve próximo ao peito. Suspeitas foram levantadas sobre seu assistente Roger Le Beuf, um francês que mais tarde se descobriu ser membro de um grupo de extermínio de Central City. Ele fugira logo a seguir, sem deixar pistas para mais tarde surgir no noticiário como tendo sido assassinado em Central City.

As investigações da polícia de Gotham seguem em pleno vapor, sem resultados concretos. Uma semana se passara no momento em que Batman surge. O guardião de Gotham descobre então que no laboratório do Dr. Loria, há uma passagem secreta que leva até a um depósito que parecia abandonado. Lá, TVs de monitoramento são encontradas. Nelas, imagens da mansão e do escritório do físico. De repente, um tiro. Batman, escapa. A silhueta de seu algoz surge na escuridão. Outro tiro disparado. Uma voz rouca sussurra:

Seu destino está selado. Você morre para que eu cumpra minha missão. Quem ousa invadir o território de minha família é punido. Não há chances. Você não escapará.

O colete a prova de balas impede que a bala chegue ao corpo do homem-morcego. Do seu bat-cinto uma corda é lançada e alcança as pernas do homem, que cai. Sua arma, com o impacto, dispara. É o fim. A mesma arma que matou o Dr. na noite anterior, mata seu assassino.

Seu rosto, escondido por uma máscara, estava estirado no chão. Batman se aproxima e certifica-se de que ele não respira mais. Remove a máscara. Não parece surpreso com o que vê. Dr. Joss, que há muito escondia de todos seu passado. Chegara até ao prestigiado cargo para cumprir com a promesssa feita por seu pai, Robert. Destruir o homem que roubou a fórmula que dera ao mundo a mais poderosa arma de destruição em massa. Com ela, estaria garantido o futuro da sua família e de todos os seus decendentes mais próximos. Entretanto, ela garantiu prestígio ao Dr. Loria junto ao mundo científico. Joss não falhou como seu irmão Roger. Morreu tentando salvar a honra de sua família. Entretanto, os meandros dessa história, Gotham jamais saberá.

domingo, 7 de junho de 2009

O título mais óbvio para esse post seria algo como, 'Finalmente'. mas quero fugir do clichê neste domingo. Portanto, vamos deixá-lo para o final.

Nos últimos 4 anos, quem curte tênis, mesmo que só veja os Slams (por pura falta de tempo, confesso) como eu, testemunhou os inúmeros duelos nas quadras ao redor do mundo entre o suíço Roger Federer e o espanhol Rafael Nadal. O jovem torcedor do Madrid não dava chances para que Federer pudesse sentir o gosto de vencer o que considero o mais legal dos Slams: Roland Garros. Ele sempre batia na trave. A desilusão era enorme no final, e sempre tinha aquele que pensava que a razão de ser de Federer no circuito era uma só: vencer em Paris. Conquistar o único troféu de prestígio que faltava em sua enorme coleção.

No ano passado, já em Wimbledon, Federer sucubiu à enorme pressão de igualar o recorde de vitórias em Grand Slams que pertencia à Pete Sampras. Ele chorou em quadra, visivelmente abatido e tomado pela sensação de impotência diante de um super tenista que, até então era especialista em saibro. Rafa conseguira o que ele, Roger tentara em vão até aquele momento. Superar o desafio imposto àqueles que se sobressaem em um piso só e fazem disso seu modo de sobrevivência no circuito. nadal venceu Federer e de quebra o impediu de igualar o recorde que todos davam como favas contadas.

Veio o ano de 2009, e já relegado ao segundo posto de melhor do mundo, o tenista suíço parecia estar mais à vontade. Voltou a mostrar o tênis que o consagrara. Venceu o torneio ATP de Madrid em cima de Nadal, na quadra de saibro. Chegou na França não mais como favorito, mas podia ser visto como azarão. E tudo parecia conspirar a favor dele. Djokovic eliminado. nadal eliminado. A final veio. Não sem muita luta. Cinco sets contra Juan Martin del Potro.

Hoje, enfim, o garnde dia. Precisou de menos de duas horas para derrotar o sueco Söderling e vencer o torneio. Seu oponente não se rendeu fácil e até ali havia trilhado um caminho muito mais difícil. Desejava ver este dia. O dia em que Roger Federer conquistou Roland Garros e mais uma vez mostrou-se de corpo e alma para as câmeras. Ele chorou, e muito. Não à toa. Tirou um peso das costas. Não haverá mais quem, no futuro diga: 'Roger era bom, mas não ganhava no saibro de Paris.' Para muitos ainda vai ficar a dúvida de que se Nadal estivesse do outro lado, a vitória teria saído. mas como 'se' não vence jogos, o que fica para a história é que aos 27 anos ele completou o quarteto mais importante do tênis, igualou Pete Sampras e tem ainda muito jogo para mostrar e tempo para superar o ex-tenista americano.

Recebeu o torféu das mãos de Andre Agassi, o último jogador a ter vencido os quatro torneios que compõem o que chamamos de Grand Slam. E quando via a cerimônia na TV pensava no quanto me emocionei ao ver semana passada Figo ser aclamado pelos colegas de Inter e naquele momento percebi que mesmo o tênis ocupando o segundo lugar no meu coração, testemunhei uma dia que ficará na história desse esporte. De criança, pude ver crescer a minha paixão pela pequena bola verde limão, vendo em quadra grandes nomes como Lendl, Agassi, Becker e Sampras. E lembrei das madrugadas que passava em claro vendo o Australian Open na época de Lendl e sua incansável luta para vencer Wimbeldon. Os grandes tenistas são aqueles que se impõem grandes desafios, mesmo sem nunca tê-los superado. Foi assim com Ivan e com Sampras. Mas a história se encarregou de dar um final diferente para Agassi e Federer. Um final feliz.

Salve, Roger! Paris é toda sua.

sábado, 6 de junho de 2009

Lady Rocks

Hoje passei a tarde com um grupo de pessoas pra lá de divertidas. Fui convidada para o churrasco de despedida do Paulo, um ex-aluno, rubro-negro fanático que sempre que o Flamengo vence o Vasco, ele dá um jeito de me provocar.

Bem, nessas reuniões sempre tem aquelas histórias da vida do homenageado e de seus amigos inseparáveis. Ri até dizer chega, porque de santos, eles não tinham nada. Num determinado momento, observei um grupo que jogava algo. Era o famoso jogo 'Guitar Hero'. Gente, a coisa é um barato.

No fim, já estava eu ao lado, observando como se jogava e me aventurando nos primeiros acordes. Para minha surpresa, não fui vaiada pelo público virtual do jogo e fui subindo de produção. Estava numa banda com uma amiga do Paulo tocando baixo, e tocamos 'American Woman' do The Who. Que experiência radical. Você se sente como se estivesse tocando mesmo. Mexe o corpo, canta, vibra, faz movimentos com a guitarra. Enfim, na linguagem carioca 'me amarrei no jogo'. O ápice da minha performance foi tocar baixo na banda do Rodrigo em três músicas: 'Fire Woman' e 'Love Removal Machine' do The Cult e 'Sweet Home Alabama' do Lynyrd Skynyrd. Arrasei!

Juro que se tivesse video game, ia querer um jogo desses para me divertir no fim de semana. Quando tiver as fotos, deixo uma aqui.

Lady Rocks! Viva o Rock N' Roll!!

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Então tá...

Ia parar, mas depois de ler Clavin, vou me dar mais uma chance. Academia, here I come, too!

quinta-feira, 4 de junho de 2009

De Coverciano:

'Eu avisei: agora quem manda sou eu!'

O Centro Tecnico de Coverciano na Itália é conhecido mundialmente por ser formador de técnicos de futebol. Por lá já passaram todos os treinadores de Calcio e aqueles que estão em busca de novas chances no mercado da bola.

Recentemente veio à tona que mais um expoente do 'catenaccio às avessas' recebeu seu diploma de treinador há muito tempo atrás, mas que preferiu, por razões óbvias, manter-se incógnito.

Sílvio Berlusconi! Ele mesmo. Aliás, Sílvio é o tipo de pessoa que justamente ao contrário, não passa inobservado. Ele gosta de ninfetas e adora dinheiro. É dono de metade do país dele e possui uma lábia capaz de deixar Sílvio, seu xará do Brasil, Santos, para trás na tentativa da primeira venda da Tele-Sena.

Berlusconi quis a todo custo vender Kaká ao Manchester City. O jogador se recusou a sair do Milan, apesar da proposta estratosférica. O dono do Milan, que também é Primeiro Ministro da Itália e nas horas vagas, treina seu clube, não satisfeito, constantemente vai à mídia para dar suas opiniões sobre futebol e numa dessas, acabou descoberto.

Sabe tudo o que o Milan faz após 45 minutos de jogo? Tudo é fruto das idéias dele, que nos intervalos, desce aos vestiários e recita sua preleção aos jogadores, acompanhado de sua pracheta à la Joel Santana. Ancellotti, meus amigos, era figura decorativa. Inclusive, na contratação de Ronaldinho Gaúcho, o dono supremo, assumiu toda a responsabilidade da compra e escalação do jogador. E afirma que ele deveria jogar em todos os jogos. Os 90 minutos. Acreditem.

Nesta semana, o 'treinador' afirma que caso seu treinador, Carlo Ancellotti, tivesse ouvido suas idéias de escalação do time, o Milan teria sido campeão. Sou eu que estou confusa, ou o mundo está virando de cabeça para baixo? Leonardo que se cuide...

Aqui está uma parte da notícia, divulgada na imprensa italiana: Berlusconi si prende anche la panchina (do site Sportal.it)

"Il Milan - ha detto Berlusconi - quest'anno non ha giocato con la tattica di gioco suggerita dal suo ex presidente, lo ha fatto solo nell'ultima partita che ci ha permesso di conquistare la Champions. Abbiamo campioni come Ronaldinho che giocavano in una partita gli ultimi venti minuti e questo ha causato anche una caduta di morale nel giocatore. Il biglietto viene pagato per vedere Ronaldinho in tutta la partita, anche se lui riesce a fare bene anche in venti minuti ma è meglio che in campo ce ne sia per novanta".